Mesmo com a recomendação de que somente serviços essenciais sejam feitos presencialmente nos bancos, as filas nas instituições financeiras continuam gerando aglomerações. Ontem, dia em que a Caixa começou o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial (leia mais abaixo), não foi exceção até mesmo onde o cronograma ainda não começou.

A equipe do Diário flagrou uma fila que praticamente dobrava o quarteirão em agência do Bradesco no Centro de São Bernardo, durante a manhã. Na Caixa, apesar de filas, o movimento estava mais controlado. “As pessoas continuam indo ao banco sem ter a necessidade. A orientação continua a mesma, que é utilizar os canais alternativos e ir à agência somente em extrema necessidade”, afirmou o presidente do Sindicato dos Bancários do ABC, Belmiro Moreira.

O sindicalista estima que a situação se agrave nas próximas semanas, quando a segunda parcela do auxílio para quem não tem conta em banco começa a ser paga.

Questionado sobre o assunto, o Bradesco afirmou que a rede de agências está funcionando em horário diferenciado de atendimento, entre 10h e 14h para o público em geral. Para aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), o atendimento começa uma hora antes e, nos dias de pagamento desse público, a abertura das agências acontece com duas horas de antecedência, ou seja, às 8h. Já a Caixa informou que continua atenta à situação das unidades em todo o Brasil.

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) fez a mesma recomendação sobre a preferência dos canais digitais. “Há uma demanda por atendimento presencial e os bancos têm acompanhado o movimento diário das agências para, observando as particularidades de cada localidade, adotar uma série de medidas voltadas a organizar filas e evitar a formação de aglomerações. O objetivo é sempre proteger o consumidor neste momento sensível de pandemia”, afirmou a entidade, em nota.

Fonte e Foto: Diário do Grande ABC